26 de ago de 2013

Evento Câmara Municipal de Valinhos



Assembleia de mulheres inicia o FSM de Tunis

terça-feira 26 de março de 2013, por Terezinha Vicente
Todas as versões desta matéria: [français] [Português do Brasil]
Antes mesmo da tradicional marcha que costuma abrir o Fórum Social Mundial, as mulheres lotaram o auditório da Faculdade de Direito em luta por seus direitos.

Palavras de ordem muito fortes contra o fundamentalismo islâmico foram cantadas na assembleia de mulheres que ocorreu esta manhã na Faculdade de Direito da Universidade de Tunis, e que teve como principal tônica a defesa dos seus direitos, ameaçados pelas influência da religião sobre o estado na Tunísia. “Vamos, vamos, vamos morrer... mas antes vamos extirpar os islamistas de nossa terra”, gritavam as defensoras do Estado laico.
Não por acaso centenas e centenas de mulheres – e muitos homens – fizeram a primeira grande manifestação neste FSM que começa, antes mesmo da marcha de abertura. Para Shams Abdi, uma jovem militante tunisiana da Marcha Mundial de Mulheres, “este FSM em Tunis tem como símbolo a luta das mulheres, ainda que não seja oficial, os movimentos mais ativos em relação ao fórum são os feministas”. Além do que, segue ela, “nos movimentos árabes a questão da mulher é mais importante do que em outros lugares. Antes, com a ditadura, não tínhamos liberdade de imprensa e de expressão, agora podemos falar e ver o que se passa em Tunis”.
Shams Abdi
As mulheres daqui falam com muito orgulho da luta que vem levando. “Como a revolução começou em Tunis”, diz Shams, “a revolução das mulheres tem que sair de Tunis também. A mulher tunisiana não é uma mercadoria, mercadoria é a vice-presidente da Assembleia Constituinte; assim como ela, temos outras mulheres que são contra os direitos das mulheres”. Para Hiba Yahyaoui, outra tunesina, estudante de letras, “este Fórum encorajará as mulheres a continuar a defender seus direitos, porque a mulher tunesina é forte, tanto quanto os tunesinos”. Perguntei-lhe porque havia tantos homens na assembleia de mulheres. “Em Tunis há muitas associações que encorajam a mulher tunesina a continuar sua luta, como nos disse Chukri Bel Aid”. Ela se referia ao líder de oposição, assassinado recentemente,em 6 de fevereiro.
Solidariedade internacional
A importância da solidariedade dos outros povos com a revolução da Tunisia, segundo nos disse Ahlem Belhard, presidenta da Associação Tunisiana de Mulheres Democratas, e condutora daassembleia. “Nós resistimos, nós lutamos com muitas dificuldades, este é um momento muito importante, pois é preciso impedir a contra-revolução. É importante ver todos os lutadores dos países juntos, pois todas as pessoas que estão no Fórum estão tentando mudar o mundo e podemos nos ajudar nessa mudança”. A lider feminista também destaca a importância histórica da revolução tunisiana, pois “estimulamos outras revoluções, não é um fenômeno nacional, os países da região tem os mesmos problemas, sua origem é a mesma. A política e a economia não são uma fatalidade, são uma escolha”.
Ahlem Belhard
Analba Brazão, da Articulação de Mulheres Brasileiras, acha importante “visualizarmos que o patriarcado está presente em todos os países, embora cada povo tenha suas reivindicações locais”. A feminista brasileira lembra que o mundo árabe não é algo homogêneo e na Tunísia a constituição coloca a religião como algo imutável. Outro fato lembrado por Analba é que elas consideram como primeira fagulha da revolução os protestos na bacia mineira neste país, puxados pelas mulheres, e que nunca aparecem quando se conta a história. A única brasileira a falar na assembleia foi uma representante do Movimento de Mulheres Camponesas, que destacou a luta pela terra e pela segurança alimentar. "Somos nós, as mulheres, que garantimos a maior parte dos alimentos para nossa população, produzidos no enfrentamento ao agronegócio, que destrói a terra e traz todo tipo de violência contra as mulheres".
Mexicanas lutam contra o feminicídio
Além da Tunísia, falaram representantes do Senegal, da França, da Espanha, da Palestina, para uma plenária que tinha ainda diversos grupos de mulheres atualmente em luta, como as do Sahara ocidental e do Mali. A criação de uma rede de apoio as mulheres da Tunísia e a defesa dos seus direitos, ameaçados pelos partido islamita no poder foi proposta a todas as mulheres do mundo.
Mulheres do Mali
Mulheres saharauis




Inédito no Brasil, Encontro Internacional da Marcha Mundial de Mulheres reunirá reunir 1600 participantes de 40 países. A coletiva começa às 11 horas, no Memorial da América Latina, e terá participação de Miriam Nobre, Jean Enriquez e Conceição Dantas.


Nesta segunda-feira, 26, começa o 9º Encontro Internacional da Marcha Mundial das Mulheres (MMM), em São Paulo. O Encontro vai reunir um número recorde de 1.600 mulheres, vindas de mais de 40 países, em uma semana inteira de atividades, até o dia 31. Inédito no Brasil, o evento já foi realizado em países como Índia, Ruanda e nas Filipinas.
No primeiro dia de atividades, será oferecida uma coletiva de imprensa, às 11 horas, na Sala dos Espelhos do Memorial da América Latina. Participam da coletiva as porta-vozes da organização do evento: Miriam Nobre (São Paulo), coordenadora do Secretariado Internacional da MMM e agrônoma, Jean Enriquez (Filipinas), integrante do Comitê Internacional da MMM e diretora executiva da Coalizão Contra o Tráfico de Mulheres, e Conceição Dantas (Rio Grande do Norte), coordenadora nacional da Marcha e socióloga.
A abertura pública do evento acontece às 17h30 da segunda-feira, com a participação da Ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, em mesa que contará com Denise Motta Dau, secretária de Políticas para Mulheres da Prefeitura de São Paulo, Miriam Nobre, coordenadora do Secretariado Internacional da MMM, além de uma representante da Assembleia de Movimentos Sociais. Durante a cerimônia, uma militante de cada região em que a Marcha atua (Ásia, África, Europa, América Latina e Caribe e Oriente Médio) fará uma saudação de três minutos.
Em seguida, às 20 horas, tem início na Tenda da Solidariedade uma roda de conversa sobre as revoltas no mundo árabe e as repressões e assassinatos políticos. Participam do debate as ativistas Souad Mahmoud, da Tunísia, e Khadija Rhamiri, do Marrocos.
A programação do Encontro Internacional, no entanto, começa antes das solenidades. No domingo, 25, será lançada a exposição Feminismo em Marcha, na Galeria Olido. Contendo projeções, fotografias e materiais históricos, a exposição apresenta a trajetória, ações e principais temáticas abordadas pela Marcha Mundial das Mulheres em 62 países. Na segunda-feira, na casa oficial do evento, o Memorial da América Latina, as atividades começam às 9h, com grupos de debates sobre temas contemporâneos do movimento internacional.
Dia 31, sábado, o evento termina com uma manifestação que começa no vão do MASP, na Avenida Paulista, e termina na praça da República, com shows da cantora pernambucana Karina Buhr, das rappers cubanas Krudas Cubensi e do grupo de forró brasiliense Chinelo de Couro.
O Encontro Internacional da MMM
Esta edição do Encontro Internacional da MMM, além de ser a oportunidade de encontro de militantes do movimento de todas as partes do mundo para importantes formações e deliberações, será um momento especial para o Brasil.
O país sedia pela primeira vez esse evento, dando um salto em suas proporções, que contava até a última edição com algumas centenas de participantes.
Também será o momento de encerramento de um ciclo. Durante o Encontro, será eleita a nova composição do Secretariado Internacional da Marcha. O grupo do Brasil, que tem estado à frente do movimento mundial nos últimos anos, terá sua sucessão definida. A gestão brasileira passa o bastão tendo alcançado diversas realizações e conquistas.
“Foram sete anos nessa missão, com várias ações internacionais, com uma conjuntura que se complicou ainda mais, marcada pela crise geral do sistema e o recrudescimento dos ataques conservadores. Faremos um balanço desse período que vai nos fortalecer para o que venha adiante”, conta Miriam Nobre, coordenadora do Secretariado Internacional da MMM.
Sobre a MMM
A Marcha Mundial das Mulheres é um movimento feminista internacional que surgiu no ano 2000 como uma grande mobilização que reuniu mulheres do mundo todo em uma campanha contra a pobreza e a violência. Atualmente, a MMM está organizada em mais de 150 países e territórios. Entre seus princípios estão a organização das mulheres urbanas e rurais a partir da base e as alianças com movimentos sociais. A Marcha defende a visão de que as mulheres são sujeitos ativos na luta pela transformação de suas vidas, e que essa transformação está vinculada à necessidade de superar o sistema capitalista patriarcal, racista, homofóbico e destruidor do meio ambiente.
Serviço:
9º Encontro Internacional da Marcha Mundial de Mulheres
25/08 a 31/08 em São Paulo, SP
Organização: Secretariado Internacional da Marcha Mundial de Mulheres
Coletiva de imprensa: 26/08, 11h, no Memorial da América Latina - Sala dos Espelhos
Abertura pública: 26/08, 17h30, no Memorial da América Latina
Programação do evento: WWW.marchamundialdasmulheres...
Acompanhe nossa fanpage: WWW.facebook.com/marchamundi...
Resumo da programação - 26/08
Memorial da América Latina
8h30 - Acolhidas pelo cortejo, no Portão 1.
9h: Conferência: A trajetória do feminismo na América Latina e Caribe
12h-14h: Resistência em exposição
Visita à exposição do acervo permanente do Memorial da América Latina.
Pavilhão da Criatividade Popular Darcy Ribeiro
14h: Conferência: Acumulação por despossessão: trabalho, natureza e corpos das mulheres
Auditório Simón Bolivar
17h: Abertura pública com a presença da Ministra Eleonora Menicucci
20h: Tenda da Solidariedade
20h: Celebrando a vida das mulheres
Teatro Fragmentos de cena, no Auditório Pagu (Biblioteca do Memorial)
Oficina de Carimbó no Palco da Liberdade
Informações e credenciamento de imprensa
Bruna Provazi - 11 3819-3876 / 985975570
Email: comunica chez sof.org.br
Informações e credenciamento de imprensa
Bruna Provazi - 11 3819-3876 / 985975570
Email: comunica chez sof.org.br

Fórum de Políticas para as Mulheres


26 de nov de 2012

PROGRAMAÇÃO DA CAMPANHA 16 DIAS DE ATIVISMO - VALINHOS -SP


Evento de Lançamento da Campanha 16 dias de Ativismo - Mulher Alicerce da Sociedade, realizada pelo Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, Coordenadoria Especial de Politicas para as Mulheres e Grupo Rosa e Amor, na Câmara Municipal de Valinhos com a Psicologa e Integrante da Ong Feminista Católicas pelo Direito de Decidir Valéria Melki Busin - "DIREITOS REPRODUTIVOS E ABORTO".












17 de out de 2012

ELEIÇÕES 2012


09/10/2012 - Cresce 32% o número de prefeitas eleitas
(O Globo) O crescimento da presença feminina na política ainda é tímido, mas este ano as mulheres conseguiram uma pequena melhora no desempenho nas urnas: 2.025 candidatas disputaram a eleição para prefeito e 665 delas foram eleitas no último domingo, um crescimento de 32% em relação ao total de eleitas nos dois turnos da eleição de 2008, que foram 504. Oito das candidatas ainda brigam pela vitória no segundo turno. Estão fora, no entanto, dos grandes centros urbanos.
Entre as 26 capitais, apenas a deputada Teresa Surita (PMDB) foi eleita em Boa Vista (RR) e a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB) disputará o segundo turno em Manaus (AM). A grande maioria das novas prefeitas governará cidades com menos de 200 mil eleitores, incluindo a capital de Roraima. O partido que mais elegeu prefeitas foi o PMDB, com 129 eleitas em cidades médias, seguido do PSDB, com 93 e do PT com 70 prefeitas.
O número de prefeitas aumentou de 9% para 12% do total de prefeitos do país. Também aumentou o número de vereadoras: 7.647 este ano, contra 6.512 em 2008, um crescimento de menos de 20%. Disputaram vagas nas câmaras municipais este ano 113,8 mil candidatas, contra 285 mil candidatos a vereador. O número de candidatas foi grande por conta da exigência da cota mínima de 30% para as mulheres. As 7.647 vereadoras eleitas este ano representam 13,3% do total de vagas.
Na opinião de representantes das mulheres e especialistas, o percentual reduzido de mulheres eleitas é consequência do número menor de candidaturas oferecidas na disputa pelas prefeituras: 2 mil mulheres candidatas contra mais de 13 mil homens.
- O crescimento ainda não é substantivo e não chega perto do que queremos e precisamos para garantir a justiça redistributiva. Somos 50% da população. São 5,5 mil municípios, 12% do total de prefeitos é um percentual muito ínfimo - disse Patrícia Rangel, professora de Ciência Política da PUC de Goiás e consultora do Centro Feminista de Estudos e Assessoria (CFEMEA).
A professora estuda o desempenho das mulheres na política e os dados revelam um crescimento lento da participação na política. Para ela, uma das medidas a serem adotadas é garantir a exigência de cota mínima de candidatura de mulheres também nas eleições majoritárias (para cargos Executivos e Senado).
- Ter muitas candidaturas não significa muitas eleitas, mas ter pouquíssimas candidatas, mesmo com otimismo, sempre teremos pouquíssimas eleitas - acrescentou Patrícia Rangel.
O professor da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do IBGE, José Eustáquio Diniz Alves diz que nos últimos 20 anos o percentual de participação das mulheres aumenta em 1% a cada eleição. Para ele, o maior entrave para o aumento da participação feminina nos cargos de comando está nos próprios partidos, comandados por homens que não querem ceder espaço.
- Nesse ritmo, serão necessários 148 anos para conseguir paridade entre homens e mulheres. O aumento é positivo, no caso de vereadoras, pois mais de mil foram eleitas em relação a 2008. O problema é que os partidos lançam candidatas laranjas em vez de investir na formação de verdadeiras candidatas - avalia o professor. - A barreira partidária é o principal entrave. Os eleitor brasileiro vota em mulher. Em 2010, dois terços dos votos para presidente foram para mulheres, mas para isso é preciso oferecer boas candidatas.